O Netflix é, oficialmente, a pior coisa que podia "acontecer" a uma gaja como eu. Eu já tinha tido um cheirinho da modalidade "todos os episódios de uma vez" com Hemlock Grove, que foi a primeira série original da plataforma, mas ultimamente tem sido uma perdição. Aliás, para qualquer fã de séries (e eu sou. muito) o Netflix é um pesadelo. Estão a ver aquele anúncio que o Markl fez para a Vodafone em que ele encomenda as pizzas e vê temporada atrás de temporada sem parar? Eu sou igual. Mas sem as pizzas porque ando a tentar perder uns quilitos a mais.

A última temporada de Hemlock Grove chegou, então, aí há coisa de um mês e eu vi os 10 episódios (de 60 minutos cada) quase de seguida (e detestei o final). Dormir é para meninos!

Agora descobri Jessica Jones, à qual também achei uma certa piada, muito embora ainda só vá no primeiro episódio. Mas o grande desejo na minha "to watch list" é Narcos. Primeiro porque adoro o Wagner Moura. E segundo porque estamos a falar do Pablo Escobar, que é só o drug lord colombiano mais famoso do mundo. E toda eu uma apaixonadíssima por séries badass com atores de topo. Ter vida social também é para meninos, certo??

Dentro do género "pesadas e boas", aconselho ainda Legends (com o Sean Bean), The Knick (com o Clive Owen), Ray Donovan (com o Liev Schreiber), House of Cards (com o Kevin Spacey) e - muito embora estas duas tenham terminado não podia deixar de as mencionar - The Following (com o Kevin Bacon e James Purefoy) e The Sopranos (com o insubstituível James Gandolfini).

Para aqueles que não aderiram ao Netflix e costumam ver séries online (espero bem não ser presa por causa disto) deixo aqui um link que permite ver de tudo o que há por aí e em qualquer aparelho, imediatamente após a estreia nos States. Em inglês e sem legendas.

Ao clicarem no episódio que pretendem ver, não liguem ao primeiro player que vos aparece porque não vão conseguir ver nada e serão constantemente reencaminhados para múltiplas publicidades. Atentem, em cima desse player, nas palavras "Watch it here", convenientemente escritas a amarelo, e carreguem no título da respectiva série logo ao lado. Agora sim, podem ver o que querem: aqui.

E já que estamos numa de séries, quais são as vossas favoritas de agora e de sempre? Aposto que já vi ;)

Catarina Vilas Boas


Sou uma sucker pelo eBay. Em grande parte porque sou uma tesa e no eBay se encontram grandes produtos a preços irrisórios... Mas também porque é um mercado de itens diferentes, invulgares, para todas as carteiras.

Esta é a minha wishlist de Natal. Tenho muitos mais itens debaixo de olho, mas esses vão ter de esperar. Essa é também a beleza do eBay: nada esgota!!


Tinha prometido a mim mesma que não voltava a comprar roupa no eBay, depois de uma primeira vez em que o balanço foi assim um bocado (muito) negativo. Mas, de fita métrica em riste, talvez me atreva a tentar novamente. Não está nada decidido ainda. Mas também ainda falta muito para o Natal!!

Os restantes itens são seguros. Acessórios e calçado não têm muito que enganar, especialmente se fizerem uma pesquisa exaustiva em busca de fotos originais, preços mais baixos e vendedores com mais estrelas. 

Quanto aos óculos, não há muito a dizer. São o meu calcanhar de Aquiles. Já tenho uma colecção considerável, e digo sempre que não vou comprar mais. Mas não consigo!! Não é para menos... Opto sempre pelos mais inusitados, porque vejo-os como uma peça statement que dá vida a qualquer look mais desenxabido. E, claro, pelos mais acessíveis. Isso para mim é mandatório, até para compensar a espera que é (e será sempre) longa, correndo inclusive o risco de nunca se concretizar na caixa de correio.

Nesses casos nada temam porque mesmo que o vendedor se recuse a devolver o vosso dinheiro, o eBay tem uma política de reembolso garantido quando o item não chega às vossas casas, ou chega danificado, ou é diferente do publicitado na fotografia ou descrição.

Qualquer dúvida sobre preços ou links não hesitem em pedir nos comentários ;)

Catarina Vilas Boas

Aqui há uns tempos valentes, comecei a dar-me muito bem com um amigo cuja ex-namorada (soube agora) dizia que darmo-nos bem era impossível porque a roupa que eu vestia não fazia o género dele. 

Sim, ela disse mesmo isso. Por essas palavras. Não é uma metáfora. Pelo menos não a parte da roupa...

Perante isto eu não sei se é o meu conhecimento da mente masculina que é muito alargado ou se é a gaja que é mesmo assim - limitada. De qualquer das maneiras eles entretanto reataram e nós continuamos a dar-nos bem (agora sem metáfora). E eu continuo a vestir o que sempre vesti.

Toda ela uma princesa dos subúrbios sem sal, com um guarda-roupa cheio de sabrinas, vestidos, padrões florais, beges e azuis marinhos, com o batom nude a acompanhar. Vermelho só em casamentos! Toda eu uma born rebel, com um guarda-roupa de chunky boots, calças de cinta subida, preto, amarelo e cabedal, com o batom vermelho sempre nos lábios. Roxo, azul e preto quando quero variar.

Toda ela valsa, de cabelo liso, camisa, casacos de malha e brincos de pérolas. Toda eu rock, de top sem costas, ombros rígidos, unhas bicudas e brincos maiores que a palma da minha mão.

Toda eu exagerada e sombria. Toda ela pacata e luminosa.

Mas a roupa, apesar de poder dizer muito sobre alguém, despe-se (e talvez fosse mesmo esse o medo dela). Eu amanhã posso-me levantar e passar a vestir-me como a Bree das "Donas de Casa Desesperadas" antes dela começar a dar no álcool!! Já pensar que os trapos que pomos no corpo são factor determinante numa relação entre duas pessoas é o sintoma de uma doença que, infelizmente, na idade dela, não tem cura. 

Chama-se estupidez.

E eu tenho pena, que ele é tão gato e bom mocinho! Não merecia tanta má sorte na vida. Espero que ela ao menos seja boa na cama... A Bree era!




Catarina Vilas Boas 

Catarina Vilas Boas
Se há uns anos as mulheres se escondiam envergonhadas do estereótipo de encalhadas, hoje abraçam firmes a certeza de que estão sozinhas por opção e de que não necessitam de ninguém (homem ou mulher) para se sentirem realizadas na vida.

Não sei se isto me agrada ou desagrada.

Agrada-me a ideia, mas desagrada-me que possa ser oca. Ou seja, agrada-me que as mulheres tenham  finalmente chegado a esse patamar de esclarecimento mas desagrada-me que algumas o possam estar a fingir puramente pelo showoff, mais uma vez por vergonha do esteriótipo de encalhadas. Elas é quotes no facebook e no instagram, partilhas de textos do tábonito.com (que ultimamente deu um descanso às relações e passou a dar destaque ao amor próprio), uma jorrada interminável e súbita de girl empowerment da qual eu desconfio. Mas eu também desconfio de tudo e de todos...

Ficou tudo muito mainstream de repente. Parece que está na moda estar solteira. E as coisas não podem ser assim, porque modas vão e vêm e a mulher que hoje defende o direito de se amar a si própria antes de amar quem quer que seja, amanhã entra num relacionamento onde se anula e sob a sombra do qual julga as mulheres que não têm ninguém a seu lado. "Não tem ninguém que lhe pegue", "É uma galdéria" ou então, para ele, "Amo-te tanto meu bijuzinho. Não sei que seria da minha vida sem ti. És só meu" (uma gaja só tem vontade de comentar por baixo "TUDO NOSSO!", mas controla-se porque a vida são dois dias e não vale a pena ser esfaqueada à pala de uma brincadeira).

Isto só acontece porque estamos a falar de mulheres. Isto com os homens é tudo muito diferente e bem mais adequado (para mim). Os homens solteiros e comprometidos agradam-me. Agradam-me porque não partilham quotes, ou textos no facebook e no instagram (pelo menos a maioria deles) quando estão solteiros. Simplesmente vivem a solteirice como ela deve ser vivida. São mais seguros quanto a isso. Mas eles também não têm a pairar sobre a cabeça o casper - fantasminha do "já está na altura de namorares". E não têm porque são homens!! E como diz o Bill, "it's a man's man's man's world".

Os comprometidos vão vivendo cada vez mais a relação com fotos fofinhas e hashtags. Mas ainda assim nada se compara aos perfis das namoradas. Novamente, há excepções, mas eu corto o meu testículo direito (para não usar a gíria e ferir susceptibilidades) no dia em que ouvir um homem dizer, sobre outro: "Ahh ninguém lhe pega", "Está encalhado". Já os ouvi dizer NA CARA que "está na altura de arranjares namorada" mas a frase tem uma conotação diferente quando dita no masculino. Não é tanto "tens que encontrar alguém para namorar" é mais "meu, tás a precisar de pinar".

Mas já chega de teorias que hoje é sexta-feira e ainda por cima 13, como eu gosto. A quem ainda não foi e pode ir, aconselho uma visitinha a Montalegre com direito a tudoooo. A quem já foi não preciso aconselhar porque sabe bem que nada bate as sextas-feiras 13 em Montalegre. São noites ensombradas do melhor que há. 

Para quem não pode, fica uma musiquinha de rock praxe para ouvirem a fazer o que (e com quem) bem entenderem, solteiros ou comprometidos. É à escolha do freguês.

Bom fim-de-semana!!



Catarina Vilas Boas 


Às vezes olho para os meus pedidos de amizade no facebook e para os amigos em comum (que ou são inexistentes ou são pessoas com quem eu nunca interagi na minha vida, quanto mais na rede social) e pergunto-me: "mas onde é que esta gente me vai buscar?"

E não consigo responder.

Catarina Vilas Boas 
Acho que aquela treta de que todas as pessoas que passaram na nossa vida trouxeram algo de bom é verdade. Há excepções, é certo. Mas também é certo que há pessoas que me passaram pelas mãos que, apesar de terem sido erros, apesar de terem sido desilusão, mágoa, rancor, etc etc, também foram momentos bons, também foram memórias que me aquecem a alma, também foram principalmente aprendizagem.

Essas coisas só sabe quem sente. Só nós, que lidámos com essas pessoas e com o que de mau elas disseminaram em nós, sabemos o bem que elas nos fizeram. Isto porque somos nós que sentimos e vivemos as duas metades da sua presença. Então ninguém, além de nós, vai perceber que mesmo que essa pessoa tenha sido uma pedra no caminho, um buraco no percurso, uma lasca no pé, foi também uma pausa para descanso merecido. Forçado, é certo. Doloroso, quiçá. Mas merecido. Frutuoso.

Eu tenho pessoas assim na minha vida. Ou tive. Tenho e tive. Tive porque já não as tenho (eliminei-as). E tenho porque me deixei ficar com a metade boa delas. São pessoas que me ensinaram alguma coisa mas, mais do que isso, são pessoas que ainda assim me fazem sorrir, quando relembro um excerto do que com elas vivi.

Uma frase mais cómica, mais doce, mais inusitada. Uma aventura regada a álcool ou a sono. Ou às duas coisas!! Um gesto despretensioso de carinho, de amizade, de companheirismo. Um pedaço de sabedoria surpreendente. Tudo isso e muito mais ficará comigo enquanto a memória me valer.

Por isso é importante agradecer. Mais do que isso, perder algum tempo a olhar para essas pessoas, à distância física e do tempo - o necessário para fazer o luto da sua perda, perdoar tudo o que de negativo deixaram - , e perceber que ninguém é totalmente mau, assim como ninguém é totalmente bom. As pessoas, assim como as marcas que elas nos deixam, não são feitas a preto e branco. Chegar a essa conclusão é sinónimo de amadurecimento emocional. É a prova viva de que nenhuma verdade é irrefutável e que nunca somos velhos demais para nos mutarmos de dentro para fora.

A partir daí, tudo será diferente.

Catarina Vilas Boas



Ontem sonhei que estava numa sala de aula e que tinha sido picada por uma abelha. As picadas tinham deixado um rasto de pequenos talos do tamanho de ervilhas e eu estava marcada pelo corpo todo. Com uma pantufa, tentei, em vão, esmagar a abelha (que era ENORME, tinha uma coroa, uma cabeça do tamanho do meu punho, sem olhos nem boca, e corninhos de caracol). Perante o meu insucesso e o facto da abelha se ter virado na minha direcção, fugi dali para fora. A porta da sala tinha um rectângulo de vidro vertical e a abelha espreitou pelo rectângulo (com aquela cabeça do tamanho do meu punho, sem olhos nem boca e com corninhos de caracol) e disse-me em terror "NÃO! NÃO ABRAS NENHUM DESSES TALOS! Podem estar lá ovos..."

E pronto, nessa altura acordei em suores frios.

Factores racionais deste sonho:
1 - Eu sou alérgica a picadas de insectos, de modo que fico realmente com talos na pele sempre que sou mordida, apesar de não se parecerem com ervilhas.
2 - As portas das salas de aula da minha antiga escola tinham, assim como a porta do sonho, um rectângulo vertical de vidro, que permitia espreitar o seu interior.
3 - Quando sou picada, fico com tanta comichão que me coço até fazer sangue, portanto a advertência da abelha passa um bocado por aí. Não coces os talos porque os ovos podem escapar pelo rasgo da ferida. Sei que os ovos não escapam, mas no sonho foi essa a imagem que me veio imediatamente à cabeça mal a abelha me falou: um monte de pequenos ovinhos branco leitosos a escorrerem de uma das ervilhas que eu tinha no pulso 
4 - No outro dia, vi uma lesma à porta de casa e talvez a aparência da abelha tenha origem nessa memória recente. Pelo menos a parte dos corninhos e da falta de olhos e boca. Isto era muito mais interessante se eu soubesse desenhar. A abelha era realmente aterrorizadora e eu sinto que a minha tentativa de a descrever por palavras não fez senão torná-la cómica.

Interpretação pessoal: Nenhuma. 
Interpretação googliana: Diz que sonhar com abelhas significa que, no futuro, verei dinheiro no meu caminho. As abelhas representam trabalho duro mas eficiente, assim como boa sorte, harmonia, criatividade e felicidade (isto era tudo muito bonito se, no sonho, eu não estivesse a tentar esmagá-la com uma pantufa bege na mão). 

A abelha rainha, em particular, representa uma fêmea dominante na minha vida e ser picada por uma abelha indica que alguém me "picou" verbalmente (assim de repente, a única fêmea dominante da minha vida que gosta de picar as pessoas verbalmente que me vem à cabeça sou eu própria)

Diz também que se a abelha rainha tem destaque no sonho, significa que sinto necessidade de liberdade de escolha e expressão (mais??).

De frisar ainda que, no meu sonho, a abelha não voava. Não! Em vez disso andava. E ainda por cima era obesa, porque para além da cabeça do tamanho de um punho, tinha um corpo que mais parecia um paio.Tendo em conta o que o bicho significa, esse aspecto não deixa de ser preocupante...




Catarina Vilas Boas 
Com tecnologia do Blogger.