E proooontooooo. A Balmain x H&M collection chega às lojas no dia 5 de Novembro e as pecinhas todas e respectivos preços chegaram hoje ao de cima pelo site da Vogue.
Toda eu uma gaja amante de ombros rígidos, brocados, dourados e pormenores exagerados, portanto já sabia, desde Maio, que ia amar esta parceria. A única que me tinha causado tal fru fru interno tinha sido a do Alexander Wang for H&M e depois de andar a namorar um daqueles tops de ginásio to die for e não ter posto sequer os olhinhos num que fosse em loja, decidi-me a estar atentíssima desta vez.

Ao longo dos últimos meses foram-se conhecendo algumas peças, ora em imagens das modelos ora em imagens das próprias peças que "escaparam" à H&M e acabaram na internet. Mas a totalidade da colecção era desconhecida e os valores que iria atingir também. Quanto a isso só vos digo para terem muita coragem porque há peças desta colecção que auferem o salário mínimo nacional. Há de tudo, é certo, mas é tudo para o carote. E há peças que não valem, definitivamente, o dinheiro, na medida em que se encontram dupes em qualquer loja da esquina ou canto do ebay. 

Mas há amores insubstituíveis... 





Para os boys, algumas peças de eleição. Há lá outras giras e menos exuberantes mas eu acho que se é para ser Balmain, é para ser Balmain! Com tudo a que os meninos têm direito. Não são peças para todos. Nem gostos, nem corpos, mas têm uma pinta descomunal.


A colecção inteira pode ser vista aqui.

Catarina Vilas Boas

Porque já não fazíamos disto há muito tempo e eu hoje estou numa de. 

Ladies, let me introduce you to Mr. Jim Sturgess. Ator de topo e gato que dói.

Talvez o conheçam de filmes como 21, One Day, Electric Slide, Stonehearst Asylum, Kidnapping Mr. Heineken ou Heartless. Quase quase a chegar está London Fields que terá, com certeza, uma maior projecção do que os restantes, por ter a boazona da Amber Heard (que, convenhamos, não é propriamente a melhor actriz do mundo, para não dizer que está tão longe disso como o meu cabelo está de ser liso) no papel principal.

De qualquer das maneiras, a wikipédia diz que o Jim nasceu James Anthony Sturgess, em Londres a 19 de Maio de 1978, tem 1,84 m e que, de momento, se encontra solteiríssimo e disponível para amar (yey!).

Agora vamos ao que interessa. 





Pronto, por hoje é tudo, durmam bem!
Catarina Vilas Boas
Uma gaja teimosa como eu só aprende coisas com a vida quando ela é filha da p*ta e decide marcar-me o lombo a ferro em brasa. É assim que eu funciono. Já não há nada a fazer. Aprendi a viver com isso e a abraçar os ensinamentos que dessas quedas doridas advêm. Uma coisa é certa, elas são grandiosas e drásticas e ficam-me cravadas na memória para sempre. E, quando é assim, só muito dificilmente se cai na mesma esparrela novamente.

Nos últimos tempos tenho aprendido bastante. E uma das coisas que aprendi é que, às vezes, mais vale estar calada. Mesmo quando tenho razão. Por múltiplas razões. 

Para evitar chatices, para não me enervar sem necessidade, para não gastar o meu elaboradíssimo latim em orelhas moucas e mentes fechadas como túmulos. Porque não vai adiantar de nada, porque não tenho nada a ver com o assunto, mesmo quando pessoas que me são queridas estão envolvidas. 

Identificar as situações em que mais vale engolir as palavras do que as difundir por caminhos espinhosos é-me cada vez mais fácil. Mas quando as pessoas que me são queridas estão envolvidas, a mudez exige de mim um esforço muito mais tortuoso. É um dilema. Mas aprendi que, ainda assim, me devo remeter ao silêncio.

É uma opção de vida que agora tomo em consciência. Assim como eu só aprendo depois de fazer merda, há coisas que as pessoas só percebem pela força dos acontecimentos. Pela força da sua vida. Não das minhas palavras. As palavras sóbrias raramente são ouvidas quando as falamos a um coração loucamente enamorado... Eles não ouvem. Fingem só. É como falar com uma parede.

O que eu vejo do lado de fora do barco nunca vai ser visto da mesma maneira por quem está lá dentro. Têm que cair à água. Uma e outra vez, até que o barco pareça mais perigoso do que o mar (ou até que ele se ponha a dar gás maré afora sem ligar ao naufragado). 

É deixá-los cair. Eu também caio e não morro por isso. Muito pelo contrário!! É dar de bruços. Só faz é bem ao pulmão.

Catarina Vilas Boas

Com tecnologia do Blogger.